sexta-feira, 6 de julho de 2007

Vitrola

Faz tempo que cultivo o hábito de escutar discos de vinil em casa. Todos de mpb, é claro. Minha vitrola é uma senhorinha rouca prestes a bater as botas. O tempo tem sido cruel com ela, mas mesmo assim, dribla os ácaros e poeiras e com seu braço frágil sustenta pesada agulha que rasga a superfície daqueles pratos negros. Os discos choram de dor, e, é o lamento deles que alimenta nossos ouvidos.
Peguei um disco do Cazuza. Escolhi o álbum “Só se for a 2”, de 1987. O motivo da escolha foi que, no momento, encontrava-me longe da minha namorada e decidi escutar uns rocks românticos, do tipo que só o Cazuza faz bem. As 11 faixas foram correndo, uma a uma, e, como fazia tempo que não ouvia esse disco, tinha me esquecido de seu real conteúdo.
O disco até que começa romântico, mas pouco a pouco, o lado cafajeste deste incrível compositor começa vir à tona. As músicas “Solidão, que nada” e “Completamente blue” evidenciam a falta de compromisso de Cazu com o tipo de relacionamento que estou acostumado a levar: casal que jura fidelidade, dá satisfações, almoça com a família do outro, essas coisas não tão foras do comum. Que ingênuo eu, devia ter percebido logo que, disco sobre amor do Cazuza é no mínimo controverso.
As palavras de amor eram seguidas daqueles berros doidos e daqueles “yeah”, marcas singulares dele. Então naquele momento percebi que o propósito do álbum, para mim, tinha mudado. Já não era para pensar na minha amada. Eu estava devorando o encarte com as letras e esperando as próximas faixas, desvendando a inteligência e a personalidade ímpar daquele cara. Pra mim ele é um intelectual sem querer ser. Ele cuspia seus sentimentos em forma de poesia e o resultado era, e, até hoje é, surpreendente.
Enfim chegou a penúltima faixa: “O lobo mau da Ucrânia”, nossa, para quem já vestiu a carapuça, essa é demais. Um lobo cafajestaço que pega as menininhas pra fazer mingau, literalmente. “Meus olhos são bem grandes pra te secar. Minha boca é um bueiro que vai te sugar. E a minha narigona. Te cheira bonitona … Cheguei no Brasil. Na terra azul de anil. Back, back from Chernobyl. O lobo mau de Chernobyl… yeaaahhhhh”, diz a música.
Pra mim, Cazuza é fantástico. Muitos comparam Cazuza ao Renato Russo. Os dois são bons, mas, em minha opinião, o primeiro deixa o segundo num nível abaixo. Bom, sei que alguns dos meus colegas calouros de blog, mais precisamente, Júlio e Daniel, por serem fans incondicionais de Manfredini, devam discordar de mim. É isso, sintam-se a vontade para esculhambar.

Lucas

6 comentários:

duda disse...

Ah que bom que você não se identificou com esse disco né, me sinto aliviada! Discordo que o Cazuza deixa o Renato Russo num nível abaixo, apesar de ouvir mais o primeiro, acho as músicas do Renato Russo muito boas também. Fiquei feliz em saber que quando não estou por perto você procura escutar "uns rocks românticos". Mas ao mesmo tempo com raiva por lembrar que quando acordamos hj você ficou cantarolando “O lobo mau da Ucrânia”.......hunf!

Carol Luisa disse...

Bili,adóóóóro vitrola,disco de vinil e ....CAZUZA!!!
Adoro Renato Russo,mesmo,mas me identifico mais com o nosso Caju.Adorei o texto.

Ah!Hj lá no meu blog,paguei mó pau p/o Sobrecasaca.Quando puderem,passem lá.

www.carolinaluisa.zip.net

Bjos p/equipe=************

Equipe Sobrecasaca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliana disse...

Meu irmão, desconhecia esse seu lado romântico!!! rsrsrs
Duda, sinta-se privilegiada!
Concordo que Cazuza é melhor que Renato Russo, apesar de amar os dois!
Cazuza era inteligente, controverso, tinha um modo poético de ver a vida, mas, ao contrário da opinião de muitos diante de seu filme, ele não foi um herói.
Mas, se vc ouvir algumas músicas desconhecidas do Renato Russo vai ver que ele tinha umas sacadas e um romantismo mto peculiares tb!
Mil beijocas.
Ju

CARLOS ALBERTO disse...

Bili ............. quem é esse cara !!!

Depois de ler diariamente as matérias comportadas e interessantes deste jornalista, me deparo com esse texto sensível e belo. Vejo com alegria que este jornalista tem um lugar definido e reservado nas minhas preferências como leitor.
Vejo também, a facilidae dele em juntar palavras e formar frases claras e extremamemte expressivas da sua intenção.

Bili ............. quem é esse cara !!!

Imagino esse jornalista, como um cara de seus quase 30 anos, com a vivência de várias passagens por redações de diversos jornais, enfim............ um cara experiente...........

Bili ............. quem é esse cara !!!

Os leitores de suas matérias devem sempre comemorar............, os amigos dele agradecerem esse privilégio.
E eu.....faço o que.... ???

Bili ............. quem é esse cara !!!

Sis disse...

Lucas, você é o último romântico do Rio de Janeiro!!! Continue assim!!! Só não vale seguir o lado cafajeste do Cazuza!!! :P