quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Ultimate Fighting



Lá vai um post para meus amigos jornalistas.
Agora que os arranca-rabos voltaram com tudo à grande imprensa, vale a pena ver de novo uma das maiores e mais hilariantes pelejas, entre o falecido Paulo Francis e Caio Túlio Costa, o primeiro ombundsman (ô nome desgraçado) da imprensa brasileira. Em resposta às constantes críticas de Caio, Francis mandou ver um petardo, nas páginas da Folha, do qual reproduzo os melhores momentos (e, em itálico, os melhores momentos dos melhores momentos!)


"Afinal, quem é Caio Túlio? Desponta para o anonimato. Só é conhecido de um círculo restrito de redações de São Paulo; no Rio, não convém arriscar uma pergunta sobre sua identidade. É ignorada. Eu sou bom, Caio Túlio é ruim. eu sou famoso. ele é obscuro. Eu estou no ápice da minha carreira. Ele é apenas um bedel de jornal. Acabei dando-lhe uma lambada em resposta ao primeiro artigo, não continha um único ataque pessoal. Era violento, mas intelectual. Ele não respondeu. botou o galho dentro, como se diz. fico imaginando aquele cara ferrujosa de lagartixa pré-histórica se encolhendo às minhas pauladas. Caio Túlio me causa asco indescritível, não posso garantir que se o encontrar não lhe dê uma chicotada na cara, ou, não, palmadas onde guarda seu "intelecto". Tenta me deixar mal com a direção da Folha e da TV globo, minhas duas fontes de subsistência. Tenta me intrigar com as duas empresas. É a autodefinição do alcagüete e do canalha menor. Sua fúria, mal reprimida, me ameaça com cem anos de prisão, se a Lei de Imprensa fosse cumprida, pelos meus preconceitos contra homossexuais, negros e feministas. Se tivesse um mínimo de cultura, saberia que é nos preconceitos que revelamos com mais clareza nossos instintos e simpatias. Mas o que é Pascal para um petelho? Caio Túlio é ridicularizado e menosprezado por todos os seus colegas, a quem persegue com mesquinharias suburbanas de bedel. Nunca ouvi uma opinião favorável. Não inspira ódio. Só se odeia quem se respeita."

- Walll!!

A fonte é o livro do próprio Caio Túlio, " O Relógio de Pascal".


-Dan-

Um comentário:

Chicão disse...

Hahahaa, maravilhoso. Temos aí uma bela briga. Aliás, uma bela peleja haha.

Recentemente a do diretor de internacional da Veja e do biógrafo americano de Che. Excelente. Agora de novo a Veja com Nassif. Maravilhosa. Estamos, tb, presenciando uma briga entre Record e Folha. Globo e Record.

Mas acho q nhma superará a lendária entre Última Hora x Tribuna de Imprensa e restante do Rio. Aquilo foi uma guerra, com direito a CPI e tudo mais. Olha a CPI aí de novo (agora em 50).