quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Notícias quentes de Marte

Eu acho que estou ficando louco. Não tenho o menor pingo de bom senso. Vai ver passei uma temporada em Marte e estou meio "out" do que vem ocorrendo por aqui.
Eu poderia explicar o motivo de minha perplexidade, mas como estava em Marte fico sem parâmetros para criticar a realidade alheia. No entanto, estou testemunhando um fato absurdo sem parâmetros na história. Lá pelos lados do meio oriente numa terra chamada de palestina existe um povo - os palestinos - os quais não têm terra. Calma, esta frase não é para soar literária. Antes fosse.
Pior: eles têm terra sim, porém são mantidos reféns dentro de muros que os dividem do resto do mundo. Logo aqui em Marte, um mundo globalizado onde, cada vez mais, se discute o internacionalismo. Ora, vamos internacionalizar a bolsa de Nova Yorque. Ou que tal: não internacionalizaram a luta contra o aquecimento global? Por que a gente não internacionaliza os problemas sociais do mundo?
A queda do muro, não o que estamos em cima, mas o de lá da faixa de Gaza, foi para mim como ter visto o gol do zico na partida do dia 27 de dezembro do ano passado. Aquela terra sempre foi deles, assim como a Califórnia sempre foi dos mexicanos - os americanos roubaram durante a corrida para o Oeste. Eu vibro, pulo do sofá, solto morteiro, cada vez que um cucaracha entra ilegalmente na Califórnia e sai correndo em direção a cidade mais próxima. Aliás, tinham me dito que o muro havia caído em 89. Qual é o problema? Achei que a globalização me dava o direito de ir e vir para onde quisesse. Mas não, ela só permite que um "cidadão", chamado ironicamente de presidente, invada um país e mate mais de 800 mil pessoas em nome da democracia. Esta nefasta democracia. Tem mais: este mesmo mancebo mantém um campo de prisioneiros políticos onde ocorrem execuções sumárias frequentemente. E ainda chamam o Cháves - que não invadiu nenhum país mas cancelou a concessão de um canal de TV - de ditador.
Será que eu tô em outro planeta? Devo estar - ainda bem - só assim pra continuar por aqui. Quer dizer, pra sair fora daqui. O problema é que eu vou ter que vender meu apartamento pra comprar a passagem do ônibus espacial. Bom, pelo menos eu vou me livrar do IPTU.

Joao Vicente

9 comentários:

Dan disse...

O muro é uma reação desesperada ao terrorismo palestino. Qualquer coisa tá valendo. E sem rastaqüerismos, sr João! Tudo era dos índios. Devíamos ceder gentilmente o Brasil, a Califórnia, a China e a Rússia para os índios e vivermos todos nós, brancos, amontoados numa ilhota no pacífico.

jv disse...

qualquer coisa ta valendo entao, primeiro: sem essa de apelar para o indigenismo. assim nao vamos discutir nada. estou dos brancos e de seus mau-caratismos. segundo: ta valendo tudo entao neh? vamos colocar muros em todas as favelas do rio. o afeganistao segregou seu povo e a ONU aceitou a invasao. porque que a santinha nao faz o mesmo com israel? qualquer coisa ta valendo, vamo despropriar todas as bacias de petroleo e faze-las patrimonio da humannidade. alias, eu vo comecar pela sua casa: vou colocar uns muros embaixo do seu predio, cortar agua e luz e ver se acabo com o terrorismo das suas ideias.

Dan disse...

Já se falou em construir muro em favela. Muros, seja nas favelas ou na Cisjordânia, são pouco eficazes e moralmente duvidosos. Mas é uma reação compreensível dos que estão sofrendo ataques. Quem sofre ataque se defende- é 2 mais 2.

jv disse...

ja se falou em construir muros para impedir o desmatamento de florestas, nao como retaliacao a um ataque. quem cria cobra em casa acaba morrendo picado.

dan disse...

O terror é uma opção individual, uma escolha moral. O crime e o castigo estão dentro de cada um. O homem não é uma equação de fatores sociais. Ninguém cria cobras. as cobras estão criadas!

jv disse...

o terror nao eh uma opcao individual. ele eh um fenomeno social causado por valores que sao agregados devido a uma situacao social, isto segundo weber. vc eh kantiano, acha q o homem ja vem pre-moldado.

Lucas disse...

concordo com o joão !! vc tá muito facistinha pro meu gosto, daniel... voltou a ler o blogh do reinaldo azevedo, né?

dan disse...

No dia em que você aprender o que significam SS, camisas negras e religião do Estado, a gente conversa sobre fascismo.

jv disse...

o dan eh existencialista, eterno questionador dos principios. eu tento me apoiar na realidade. acho que ambos estamos andando na corda bamba.