sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Questões levantadas a partir de uma sigla

Não quero entrar no mérito se a não prorrogação da CPMF foi boa ou não para o país e para os brasileiros. Mas a repercussão da vitória da oposição me fez pensar em determinadas questões sobre democracia, ditadura e imprensa. Esta última louvou os partidos de oposição, dizendo que sua posição era uma vitória da democracia, que correspondia aos ideais liberais do DEM e do PSDB. Primeiro vamos à questão da democracia. É democrático todos os senadores de um partido serem obrigados a votar em certa posição, a título de serem repreendidos pelo partido? Desde quando obrigação e democracia combinam? Quanto ao argumento de que votaram de acordo com suas ideologias, será que a imprensa é inocente ou demagoga? De fato, esses dois partidos se dizem neoliberais, mas eles votaram realmente por causa dos seus ideais? Ou por que qualquer coisa que eles puderem fazer para enfraquecer o Governo, eles farão. Mas o que mais me incomodou nessa história foi a coluna do jornalista Merval Pereira nesta sexta em O Globo. Merval é reconhecidamente uma voz de direita. Até aí, tudo bem. Mas, o que não pode é deixar a sua posição política virar rancor, ódio, como, aliás, acontece, com a maioria dos jornalistas de direita deste país. Aí, qualquer argumento perde a razão.
Na coluna referida acima, em que enaltece o DEM, o PSDB, ele tem a audácia de dizer que caso a prorrogação da CPMF fosse aprovada, daria força ao terceiro mandato e passaríamos de uma hiperpresidência à ditadura. Ditadura assim mesmo, sem aspas. Bem, odeio ser pretensioso, mas do alto dos meus 22 anos, tenho que informar ao senhor Merval o que é ditadura. Eu não, o dicionário:
"O termo ditadura tem o significado de oposição à democracia, onde o modelo democrático-liberal deixa de existir e a legitimidade passa a ser questionada, pois as ditaduras modernas são um movimento totalitário com a supressão dos direitos individuais".
Eu sou totalmente contra o terceiro mandato, e ao que parece, o Lula também. Mas já que a imprensa adora levantar essa bola, não custa lembrar que se ocorresse, seria totalmente dentro do principal direito individual: o voto.
Um último adendo. Na minha opinião, o mais democrático dos partidos na questão da CPMF, e que Merval não ressaltou, foi o PMBD, que apesar de ser da base do Governo, teve diversos senadores que votaram contra a prorrogação.
Democracia é isso. É cada membro do Legislativo votar determinado projeto de acordo com o que julga ser melhor para o país. E não por imposição do partido ou de quem quer que seja.

Júlio

2 comentários:

Chicão disse...

Democracia é isso. A CPMF não poderia ter caído subitamente. Mas, sinceramente, acho melhor assim do que sua continuidade (falo, confesso, sem convicção).
Porém, Lula fez uma burrada atrás da outra no caso. Lula se aproximou de Chávez em diversos momentos, no mais pejorativo sentido que o nome Chávez hoje é digno - e olha q o Chávez tem mta coisa boa, q ngm sabe por culpa da imprensa.
Talvez escreva alguma coisa sobre as semelhanças de Lula e Chávez. Se fizer, prometo uma reflexão positiva do "Demonio" - segundo a lei, ele tb tem direito à defesa.

dan disse...

Alguns erros aí: DEM e PSDB não se dizem neoliberais. E é democrático, sim, um partido repreender um senador que não votou de acordo com o programa. Os incomodados que se mudem, oras. E a oposição não faz tudo pra enfraquecer o governo, muito pelo contrário, principalmente o PSDB.