terça-feira, 16 de setembro de 2008

Blackwater em Teerã

Na fronteira entre um campo gelado
e o mar plácido de utopia
congela nas trincheiras da minha guerra
interna
o tempo tácito de um fugitivo

observo os carros varando
as falanges de zinco
prestes a invadir meu céu em cores
vibrantes 
de fogos de artifício
corro pela cidade
de tiros perdidos

Ainda que sem país - pois meu lar é como o rio
- espraia na foz da tarde o que sou de verdade:
um pequeno burguês suicida 
à espera do armistício.


Joao Vicente

4 comentários:

jt disse...

Estava relendo os textos antigos do blog. O mesmo já completou seu primeiro aniversário... E continua firme e forte. Acho que a gnt pode ser orgulhar disso. Mas vamos direto ao ponto que queria chegar: Num comentário de um dos textos (bem) antigos, tinha visto que escrevendo sobrecasaca no Google, o blog era o quarto site a aparecer. Vejam só o que acontece agora.

Daniel disse...

e, pra comemorar, o contador de visitas ali embaixo. Sandro, traz a champanha

Lucas Vettorazzo disse...

notícias de jornal dão conta de que o sobrecasaca tem mais aceitação que o presidente Lula.

Joao Vicente disse...

o contador de visitas cresce em progressao geometrica, assim como o Brasil.