domingo, 13 de abril de 2008

Pensando bem

Pensar não custa dinheiro. É uma pena. Se custasse, tenho certeza de que muitos pensamentos inúteis e estúpidos seriam evitados. Imaginem: a Consciência, uma senhora gorda e mal-humorada, a cada vez que você ameaça pensar algo, surge do éter e diz:- ô você! Passe pra cá os 70 centavos da taxa de pensamento. E os 30 da cerveja... Com certeza, aproveitaríamos um pouco melhor nossa capacidade de raciocínio, deixando de perder tempo com um montão de bobagens. Só damos valor ao que tem preço. Mas, como não é assim que acontece, na festa dos pensamentos, entra qualquer um. Nossa mente é como um show na Praia de Copacabana, onde a desordem e a confusão imperam. A taxa de pensamento poderia variar de pessoa para pessoa, de acordo com faixa etária, por exemplo. Os adolescentes poderiam ser sobretaxados, já que, normalmente, de suas cabeças saem as maiores barbaridades. As crianças poderiam ser sobre-sobre-taxadas. Pensamento seria, para elas, algo tão inacessível quanto os computadores antes do governo Collor. Nos sujeitos que crêem cegamente em um partido, igreja, sindicato, etc etc...., essa taxação seria um tanto inócua, já que estes simplesmente não fazem uso da faculdade da razão – apenas obedecem ao diretório central, ao Vaticano, ou seja lá o que for. Delegam a função de pensar a outrem, tal e qual os zagueiros, que delegam aos meias a função de criar. A grande e talvez única vantagem da gratuidade do pensamento é que a Consciência, aquela senhora gorda e mal-humorada, poderia fazer fortuna, pegar as malas e dar no pé, e aí, como ficaríamos nós sem ela?

-Dan-

4 comentários:

jv disse...

"so damos valor ao q tem preco" isso ai tem influencia minha hein. quero credito.

Lucas disse...

coitadas das pobres criancinhas,com suas mentes ferteis, serão impedidas de pensar... vc é mau, daniel

jv disse...

se ela fugisse, nos iriamos depender do bolsa-consciencia.

dan disse...

O Pelé ficou revoltado com este texto e saiu gritando " e nossas criancinhas!!!"